Decidi parar, as coi­sas não acon­te­cem só aos outros…

Valter Costa
Randonneurs Portugal Nº201400037
Paris Brest Paris 2015

Comecemos pelo princípio…

Nunca é demais salientar a atmosfera que se vive no momento da partida e nos dias anteriores, é inexplicável aquela quantidade de bicicletas, a ansiedade, o espírito, a diversidade de pessoas e culturas..épico.
Com a partida para as 17h15 sem qualquer hipótese de alteração, desde logo achei que não seria a melhor escolha, tal como disse o Rui, não é carne nem é peixe e inevitavelmente obriga a pedalar a noite toda e o dia seguinte, o que para mim custa me muito, preferiria ter arrancado de madrugada (6h/7h), mas lá está estas dificuldades fazem parte do pacote não é?

Foram 140k sem parar…

Até ao PA1, feitos a um ritmo elevado na tentativa de aproveitar os “comboios” que iam passando mas muito contente com tudo aquilo que ia descobrindo, de seguida foi controlar o esforço PC a PC até concluir o primeiro objetivo, Brest.

Tudo estava a correr bem no meu caso, o descanso estava a ser gerido de forma inteligente (na minha opinião, mas fora do meu planeamento..onde está a novidade!!) lá encontrei o José Ferreira a caminho do PC1, o Pedro Alves no PC4 e o resto da “cambada” no PC5 antes de Brest, eu a chegar, e eles a arrancar.

PBP_Valter_paris_4

Onde começaram os problemas…

E foi aqui depois de umas horas sono que arranquei para Brest que começaram os problemas, logo após a descida para Brest e a faltarem +/- 25k para o PC, comecei a sentir umas fortes picadas no joelho direito que me impossibilitavam de pedalar, foram momentos de tristeza porque não me estava a ver a fazer mais 615k naquelas condições, por isso só me restava chegar a Brest e ver o que fazia da minha vida; chegado a Brest muito depois do que previa mas ainda dentro do tempo limite, tendo perdido mais de hora e meia nesta brincadeira, foi altura de passar pelo posto médico.

Lá, passaram me uma pomada e disseram me para descansar uma hora para ver como me sentia, mas essa hora passou tão depressa….mas enfim, montei na bicicleta e percebi que tinha melhorado, só não podia era entrar em loucuras, teria de ser cadência em vez de força (algo a que não estou nada habitado).Arranquei de volta.

PBP_Valter_paris_3

Tomar um banho no hotel…

Parei em Sizun, lá entrei para hotel, comi, e olhei para o relógio e foi quando me apercebi que não dava para dormir, por isso toca a ir para a estrada. Pelo menos nesta altura a motivação estava bem alta depois do que se passou em Brest.

Daí para a frente foi andar tranquilamente, já estava a falhar os tempos de abertura/fecho dos PC’s mas isso não me importava, o que queria era terminar. Os descansos passaram a feitos na beira da estrada com a manta termica sempre que me apetecia, e que bom que era…

Primeiro furo mesmo a chegar a Fougeres (já tardava…) mas nada me parecia incomodar, depois vem Villaines e aquele ambiente fantástico, e antes de Montagne au Perche mais uma paragem para um banho e alimentação, mais uma vez o planeamento dizia para dormir mas não havia tempo.

195k e 14h para os fazer…

PBP_Valter_paris_2Nada complicado…aparentemente não é? Pois mas quando levamos 1000k nas costas, e a noite pela frente tudo muda de figura. E assim foi, cheguei a Montagne au Perche tranquilo mas o corpo pedia descanso, lá dormi um pouco, mais do que devia (mais meia hora do que o previsto, no total hora e meia) e arranquei embora com uma sensação que as coisas não iam correr bem,

O sono pesava, tinha começado a chover, e uns 45m depois de arrancar tinha de parar outra vez, mais uma vez na berma de uma estrada, pumba..45m. Acordei gelado, montei na bicicleta e passada mais 1h a pedalar completamente desconfortável,tomei a decisão….estava muito perigoso continuar, tinha sono, custava me imenso manter os olhos abertos, estava muito escuro, chovia, a estrada molhada, eu não rendia, e para chegar dentro do tempo teria de manter uma média de 17 a 18Km/h, ou seja estava-se a preparar para alguma coisa correr mal, muito mal, e portanto tomei a minha decisão.

Decidi parar…

Ao longo do percurso já tinha visto algumas coisas (nada de novo)  desde acidentes, ataques cardíacos, pessoas a vomitar em cima da bicicleta, outros a dormir em cima da bicicleta no meio da estrada…enfim, decidi parar (de novo) dormir o que o meu corpo precisasse (ou quase..) e só depois terminar este desafio gigante.

Dormi pouco mais de 2 horas, mas soube tão bem….sentir a chuva miúda a cair na manta, o barulho constante das bicicletas a passar, bem foi mesmo impecável. Acordado, alimentado com o que sobrava nos alforges segui a Dreux, feliz, muito feliz, a bom ritmo, aproveitando todas as paisagens, resumindo, a disfrutar.

Chegado a Dreux foi carimbar, comer e arrancar, mais uma vez sobre chuva. Na primeira descida á saída da cidade mais uma queda de um companheiro, e eu lá continuava, pedalada atrás de pedalada, mais uns km e um mais um ciclista estendido no chão á espera de uma ambulância…fogo, estava a ficar preocupado, sem falar na quantidade de pessoal parado na berma com furos, quando ia chegar a minha vez? Não faltou muito, a 25k do Velodrome que é a bem dizer na praia, puffffff….já foste. Tranquilamente mudei a câmara e enchi o pneu o suficiente para chegar, estava cansado.

PBP_Valter_paris_1Quase a chegar e a uns 10k uma voz feminina falava em Inglês: Well done, you have made it…  mal eu me aproximo, o idioma muda para algo mais familiar: Oh não, tu és Português….muito bem! Olhei para bicicleta dela e realmente o nome não enganava, …. de Sousa. Estava integrada num grupo do Canadá, era filha de pais Portugueses, e Rapha embassador ?!?!  Daí para a frente foi a felicidade de terminar, resta dizer que ia ser atropelado por um carro numa rotunda quando entrava para o Parque fechado, e furei a 200mts da chegada..nem é preciso dizer que continuei mesmo assim.

A chegada foi emocionante, tinha um grande amigo á minha espera para partilhar a emoção, e uma lágrima no canto do olho…

O importante nesta primeira abordagem foi sem dúvida terminar, e terminar bem!

Tempo final? 91h e 20 ou 30m…

Quanto ao balanço final, desta vez vai por tópicos, dicas, conclusões etc..:

  • Acon­se­lho a quem gosta de desa­fios fazer pelo menos uma vez o PBP na vida, e tudo o que envolve desde pre­pa­ra­ção, bre­vets, etc…é uma via­gem única. Até ao momento não fiz nada sequer pare­cido a todos os níveis
  • O per­curso sobe, e sobe muito, fazer uma subida a 2% durante 5k, é muito dife­rente quando se leva 200, 500 ou 800k nas per­nas, pes­so­al­mente subes­ti­mei com­ple­ta­mente o percurso
  • Não per­cam tempo nos PC’s, con­se­gue comer-se melhor antes ou depois dos PC’s. É tão bom dor­mir na beira da estrada
  • A segu­rança indi­vi­dual em pri­meiro lugar, não “esti­quem a corda” por­que ela arrebenta.…pedalar, comer, peda­lar, comer, dor­mir, comer, pedalar…esta é a receita
  • É impres­si­o­nante o apoio das popu­la­ções locais ao longo de todos estes km
  • Para ter­mi­nar, se fosse fazer outro ama­nhã o que mudava? No meu caso a bici­cleta (já mudei, pas­sei para as rodas gran­des) foi o fim de ciclo de mui­tas ale­grias, é pos­sí­vel fazer de roda 20″, mas custa muito mais e em 1200k isso pesa e muito. Neste caso acho não vol­ta­ria a repetir
  • A esco­lher o horá­rio de saída, esco­lhe­ria uma saída por volta das 6h/7h da manhã, dor­mir por volta das 1h/2h durante umas 2h a 3h horas, pes­so­al­mente eria a melhor forma de apro­vei­tar a viagem
  • Esqueceria hotéis e apostaria um carro de apoio em dois PC’s ao longo do percurso, é de uma mais valia enorme
  • Olha­ria para a pre­vi­são das tem­pe­ra­tu­ras com outros olhos
  • Um saco cama é fun­da­men­tal, é o pas­sa­porte para dor­mir em qual­quer lado…e volto a insis­tir, dorme se tão bem na beira da estrada
  • Quero mais, venha o pró­ximo, Mille miglia, Madrid-Gijon-Madrid, LEL…sei lá, depois disto fica um certo vazio, mas que cer­ta­mente será pre­en­chido muito em breve, por­que depois depois de se come­çar o difi­cil é parar
Aconselho a quem gosta de desafios fazer pelo menos uma vez o PBP na vida, e tudo o que envolve desde preparação, brevets, etc…é uma viagem única. Até ao momento não fiz nada sequer parecido a todos os níveis.

Junte-se aos Randonneurs Portugal

Os Randonneurs Portugal representam o Audax Club Parisien e promovem em Portugal Brevets Randonneurs Mondiaux (BRM). Organizamos brevets exclusivamente para associados, não para o público em geral.
Associe-se aos Randonneurs Portugal